Hotel Rio Sagrado – luxo no Peru

Foi o primeiro hotel de luxo em que dormimos na vida. Em vez de Paris, Estocolmo ou New York, onde é que resolvemos ter a nossa primeira vez sendo paparicados e mimados num hotel chiquetésimo? Em Urubamba! Lógico, né? (???) Ficar no Hotel Rio Sagrado, da rede Oriente Express, é aquele tipo de loucura que não dá para fazer sempre. 🙁 Mas que foi uma baita presente que nos demos, ah isso foi!

Hotel Rio Sagrado margem do rio

E pode custar menos do que parece. Com um pouco de programação, conseguimos fazer caber no nosso orçamento. Cá entre nós, tem coisas que devemos aproveitar sem pestanejar assim que a chance aparece.

 

Na verdade, a gente normalmente não se preocupa com o número de “estrelas” do hotel em que vamos ficar. Basta ser limpo, com chuveiro quente e que ofereça privacidade. Portanto, não costumamos ficar em albergues, nem em quartos coletivos. Mas pelo menos uma vez por viagem, eu sempre dou um jeito de encaixar um lugar melhorzinho, só para experimentar.

Nem sempre dá certo. Já pagamos caro pela praticidade de ficar ao lado da estação de trem em Lucerna, na Suíça, por exemplo, mas nos ferramos porque resolvemos ficar um dia a mais com o carro que tínhamos alugado e pagamos uma fortuna por um reles estacionamento.

O Hotel Rio Sagrado, em Urubamba, em pleno vale sagrado dos incas, até teve lá alguns “defeitos”, mas seria mentira minha dizer que me arrependi de um centavo sequer do que gastei pela hospedagem que vai ficar para a nossa história.

 

Como Chegar ao Hotel Rio Sagrado

O hotel fica na cidadezinha de Urubamba, uma das maiores da região do chamado vale sagrado inca, no Peru. Fica a quase 50km de Cusco e a meros 20km de Ollantaytambo.

Como o transporte público no Peru é um problema, a melhor forma de chegar lá é de táxi. Lembre-se SEMPRE de combinar o preço da corrida direitinho antes de entrar no veículo e só pague o valor que achar justo. Ainda assim, você certamente estará pagando 3-4 vezes mais do que um local pagaria para o mesmo trajeto. 🙁

No nosso caso, a gente foi para Urubamba vindo de Cusco, depois de estarmos já aclimatados e de termos passado a tarde fazendo o City Tour de Cusco (veja os posts contando como foi – parte 1 e parte 2). Contratamos o carro privado com o mesmo agente que nos vendeu o Boleto Turístico (Sr. Fernando) indicado pelo hotel em que estávamos (Hotel Terra Viva Saphi) – 120 soles.

Apesar de serem meros 50km, a estrada é de montanha e levamos mais de uma hora para chegar, então achamos o preço justo, comparável ao que pagaríamos no Brasil por uma viagem do mesmo porte.

 

Primeiras Impressões de um Hotel de Luxo no Peru

Ao chegar no hotel, à noite, a gente não teve muita noção de onde estávamos. Depois de sermos tratados com todo o requinte esperado para um hotel deste nível pelo pessoal da recepção, fomos conduzidos até o nosso quarto naqueles carrinhos de golfe, sabem?

Hotel Rio Sagrado carro de golfe

Acostumados em percorrer mil atrações turísticas em um só dia,  enchemos o cara com perguntas sobre as atividades disponíveis e já queríamos deixar tudo agendado. Mas ele sugeriu que olhássemos com calma, tentando nos introduzir ao clima relax do local. Nada de correria. Ali era um lugar para a gente ficar de férias, não para montarmos uma nova agenda de compromissos.

E assim foi feito…

Hotel Rio Sagrado rede

Chegamos no quarto, curtimos o Wi-fi grátis, e ficamos admirando a decoração com motivos tradicionais do país e a ousadia da arquitetura do banheiro.

Hotel Rio Sagrado chuveiro ao ar livreBox do chuveiro envidraçado – dá para ver as estrelas à noite. Só uma cerca viva entre você e o “plateia”

As camas eram queen – duas. A mesa de trabalho era adornada com trilhos tecidos por artesãos locais e as cerâmicas, autênticas. Nos arrumamos para jantar e foi quando, pela primeira vez, me senti estranho. Todos estavam vestidos para um jantar de gala. Nós éramos apenas turistas e não estávamos com roupas ruins. Só que nessas horas, parece haver uma diferença gritante entre uma pólo e um terno/gravata… 🙁

Hotel Rio Sagrado camas

Ligamos o “foda-se” e fomos tratados pelos garçons e garçonetes como se fôssemos o próprio Obama. Impressionante a delicadeza, a disposição em tentar nos ajudar com o cardápio falando um pouco de português… Comemos como se fôssemos reis e pagamos o preço de um bom restaurante no Brasil.

Estávamos muito felizes, mas só entendemos mesmo a beleza do lugar quando acordamos no dia seguinte para o café da manhã.

 

Café da Manhã do Hotel Rio Sagrado

Meu Deus! O que era aquilo? Já tomei cafés da manhã mais fartos, com mais opções de pães e frutas e com coisas mais exóticas (o feijão e os pepinos do “full-english-breakfast” são hors-concours nesse quesito).

Hotel Rio Sagrado Café da Manhã

O orgulho em servir itens típicos peruanos tanto para embelezar a mesa, quanto para agradar ao paladar fizeram de todas as refeições do Hotel Rio Sagrado, algo para nunca esquecer.

 

Ficou com vontade de fazer sua reserva? Clique aqui para checar disponibilidade.

 

Áreas Comuns

E depois de encher a pança com pãezinhos e omeletes caprichados, sempre apetece caminhar pelo gramado verdejante à beira do Rio que dá nome ao Hotel. O som das águas do Urubamba que embalaram o nosso sono vinham de uma corredeira suave, ao lado de um paredão de rocha nua cuja beleza é, sem dúvida, estonteante.

Hotel Rio Sagrado Urubamba

Nos deitamos na rede, nas espreguiçadeiras e na sacada do nosso quarto até cochilarmos um pouco. E ali, depois de nos sentirmos meio inúteis de não estarmos fazendo nada, resolvemos agendar logo um dos passeios do hotel – o passeio a cavalo. Só no meio da tarde, infelizmente.

Hotel Rio Sagrado alpaca

Descobrimos como era difícil achar o que fazer quando o objetivo era “relaxar”… Coisa de gente acelerada e estressada… Mas que logo seria resolvida.

 

Almoçando ao Ar Livre

Quase não almoçamos neste primeiro dia. Mas não poderíamos perder a chance de pedir um sanduichinho que fosse naquelas mesas montadas sob a sombra das árvores, ao ar livre.

Hotel Rio Sagrado pergolado

Se alguém pensou nos mosquitos, acertou. Havia mosquitos sim! Mas não dos que picam. Duvidamos quando nos disseram, mas pudemos comprovar depois de tantos dias por lá. E para o nosso conforto, eles acendem um incenso (cheiro suave e discreto, juro) em torno de toda a área do almoço: os mosquitos desaparecem! Ecológico e natural.

Depois de almoçar ali uma vez, desistimos da nossa ideia inicial, que era pegar um táxi até Urubamba city para tentar achar refeições mais baratas. O menu, embora sucinto, vai de itens mais simples até os mais sofisticados, satisfazendo estômagos de todos os tamanhos. E mudava a cada dia.

 

Andando a Cavalo

Quando nos avisaram que o cavaleiro estava nos esperando para o tour, eu já tinha até esquecido qual dos roteiros havia escolhido. O plano era cavalgar por três horas pela zona rural da cidade, vendo algumas montanhas e ruínas incas pelo caminho até chegar numa fazenda de trutas.

Bem, ao menos essa foi a conclusão que eu cheguei depois do tour, porque o senhor que nos conduziu, coitado, tinha vergonha de falar conosco. Era um velhinho bem simpático, mas nitidamente preferia usar gestos do que as palavras.

Hotel Rio Sagrado passeio a cavalo

Não sei se foi porque eu avisei que não tinha prática com o animal, mas fizemos todo o passeio caminhando bem devagarzinho. E levávamos um pito sempre que eu tentava ultrapassar o cavalo do Sandro.

Hotel Rio Sagrado a cavalo urubamba

Terminamos a cavalgada com o Sandro feliz da vida, tendo adorado o passeio. E eu, que não sou muito adepto do esporte, reclamando de que tinha sido tudo muito lento…

 

A Dolorosa Conta para Pagar

No dia seguinte, hora de ir embora. Um pouco tristes pelo barulho que atrapalhou nosso sono a partir das 5h (o quarto ficava bem do lado de uma espécie de depósito de coisas que eles usavam para preparar o café da manhã), fomos pagar nossa conta e contratar um táxi para nos levar até Ollantaytambo.

Em Ollanta, iríamos pegar o trem até Aguas Calientes, pertinho de Machu Picchu.

No final, duas diárias saíram por cerca de US$ 800,00 (para nós dois). Os extras? Passeio a cavalo de 3 horas – US$ 150,00 (por pessoa). Táxi para Ollantaytambo – US$ 35,00 (duas pessoas). Salgado? Muito.

Ou melhor, nem tanto… Porque resolvemos até voltar para mais dois dias!

 

Hotel Rio Sagrado – o Retorno

Sentamos juntos eu e o Sandro e fizemos as contas. Havíamos ido para o Peru de graça, ou melhor, com milhas. Iríamos pagar pelo menos US$ 100,00 por um hotel mais do nosso estilo em cada um desses dias que dormimos no Rio Sagrado. Para a Ilha de Páscoa, nosso próximo destino, pegamos uma promoção onde economizamos praticamente 400 dólares cada um (a passagem custou só 350 dólares – ida e volta).

Ou seja, poderíamos “converter” os valores economizados no aéreo para as diárias do hotel e ainda sairíamos com saldo de algum dinheiro para pagar alguns extras. E certos de que tínhamos aprovado a hospedagem ali, voltamos em menos de 48h para mais duas diárias.

Hotel Rio Sagrado banheiroAmei esse banheiro, quero um igual em casa!

Já familiarizados com os funcionários e solicitando um quarto menos barulhento, chegamos com um traslado do próprio hotel, o mesmo trajeto Ollantaytambo – hotel a US$ 35,00, preço tabelado. Melhor que ficar discutindo preço com taxista na estação de trem, não acham?

E no dia seguinte, passar o dia preguiçosamente já não pareceu nada difícil. Tanto que quase perdemos a hora para o nosso tour em carro privativo para Maras – Moray, dentro do preço de tabela. Essa coisa de aprender a relaxar e curtir uma preguiça é só uma questão de costume. E é das coisas que se aprende rápido.

Hotel Rio Sagrado sacada do quarto

De tarde, nos aventuramos numa massagem com folhas de coca no SPA. No dia seguinte, ainda deu tempo de participar de uma cerimônia mística de agradecimento com um Xamã peruano autêntico.

Como é que é? SPA?

 

O SPA do Hotel Rio Sagrado

Era final do último dia em que estaríamos hospedados no Hotel Rio Sagrado quando conseguimos vaga para fazermos um tratamento no SPA. E foi uma pena a gente não ter conhecido as instalações desde os primeiros minutos da nossa estadia, porque é incrivelmente legal!

O local dispõe de duas piscinas abertas aos hóspedes, uma aquecida e uma ao ar livre, sem qualquer custo. Roupões, chás, frutas e água geladinha também ficam ali dando sopa… Os tratamentos custam os preços de praxe (US$ 68,00 para o nosso caso – o Coca Leaf Wrap).

Hotel Rio Sagrado cachoeira do spaFoto só do lado de fora, fiquei com vergonha de levar a câmera lá para dentro

O ambiente é sereno e silencioso como se espera de um SPA e os odores incrivelmente suaves e relaxantes. Esse tratamento que escolhemos fazer, por mais que o nome pareça estranho, é à base de hidratantes e óleos aromáticos, com uma leve esfoliação graças ao atrito das folhas de coca. E os aromas… Só de escrever esse texto, eles vêm à minha memória imediatamente… Que delícia.

A equipe que trabalha lá é fantástica, uma das terapeutas ainda conversa com o Sandro pelo facebook até hoje! Ganhamos deles até um pouco de incenso, pode? Não teve lugar até hoje em que fomos mais bem tratados em nossas vidas!

 

O Melhor do Hotel é a sua Equipe

Muito mais do que a decoração, a paisagem belíssima ou o requinte de ter um banheiro “a céu aberto”, a nossa principal lembrança dessa hospedagem de luxo é a dedicação e o sorriso estampado no rosto de cada um dos funcionários.

Hotel Rio Sagrado cenário

Quando chegamos de volta de Machu Picchu eu estava meio adoentado, tinha passado mal com alguma comida e vomitado algumas vezes. Vocês precisavam ver quando chegamos para jantar e contamos a nossa história para a maître. Prontamente se prontificou em me conseguir um médico, visivelmente preocupada! Quando eu a acalmei, dizendo que eu mesmo era médico, que já tinha me auto-medicado (cof! cof! cof!) e que já estava bem melhor, preparou uma canja caprichada e deliciosa que eu nunca vou esquecer.

Até mesmo as artesãs que ficam ali no gramado tecendo e vendendo seus trabalhos manuais se prontificaram em fazer uma bonequinha personalizada conforme um pedido do Sandro, para que ele pudesse trazer de presente para a sua mãe.

Hotel Rio Sagrado peruanas

Depois de nos sentirmos “um estranho no ninho” num primeiro contato com outros hóspedes tão bem arrumados, vimos muitos outros hóspedes como nós que estavam ali para descansar, sendo igualmente bem atendidos. Aqueles grã-finos, fomos saber depois, estavam num encontro empresarial sediado ali, por isso a formalidade.

 

E o que VOCÊS acharam desta experiência?

Também tirariam uns dias num lugar tão gostoso, se pudessem? Aproveitariam tudo – spa, restaurante, passeios? Ou tentariam reduzir o valor da conta contratando serviços na vizinha Urubamba? Alguém aí é do time que fez as contas de quantas coisas melhores poderiam ser compradas com esse dinheiro todo?

Quero saber a opinião de vocês aí na caixa de comentários!

 

SERVIÇO

Hotel Rio Sagrado – Rede Orient Express
Home Page oficial: http://www.riosagrado.com
Para ver disponibilidade e fazer sua reserva – via Booking.com
Endereço: Km. 75.8 Carretera Urubamba-Ollantaytambo – Cusco / Peru
Telefone: +51 16 10 8300 (Reservas)
Facebook / Twitter / E-mail

 

Ficou com vontade e quer pesquisar este ou outro hotel para se hospedar no Peru? Vale a pena conferir o site do Booking.com. Reservando lá após ter clicado no nosso link, a gente ganha até 1% de comissão, gente! É uma merreca, eu sei, mas vai ajudar o nosso site a continuar vivo. Ajuda aeee!

 

Mais sobre o Peru? É só clicar no banner abaixo, ou seguir os links sugeridos.

Banner Horizontal Peru

Resenhas de Hotel e Restaurante

Hotel Tierra Viva Saphi

 

Machu Picchu

Como Chegar a Machu Picchu
Aguas Calientes – o portal para Machu Picchu
E finalmente… Visitando Machu Picchu

 

Cusco

City Tour em Cusco parte 1 – Catedral e Qorikancha
City Tour em Cusco parte 2 – Sacsayhuaman
Entenda o Boleto Turístico de Cusco
Batendo pernas em Cusco – devagarinho… 

Escrito por: Gleiber Rodrigues
Compartilhe:
comentarios:15
Posts Relacionados:
04
Apr
2013
15 comentários
  1. Jennefer
    05/04/2013

    Oi More, deu vontade de ir no spa fazer um curso com os terapeutas de lá rsrsrs. Incenso, sorrisos, banheiro looosho, foi um bom investimento 😉

    • Você ia A-M-A-R Jennefer! Precisa ver o ambiente, a energia do lugar… Coisa de “Rio Sagrado” mesmo!!!

  2. CLaudia
    13/07/2013

    UAU, uau, uau! Maravilhoso! Bjs

  3. Telma Jacarandá
    01/09/2013

    Gleiber e Sandro, vocês são simplesmente MA-RA-VI-LHO-SOS! Confesso, que sempre ao planejar uma viagem, sai lendo blogs e nenhum tinha me chamado tanta atenção como o blog de vcs.Amei, vcs serão para mim o caminho das pedra.rsrs
    Parabéns!

    • Obrigado, Telma! Ainda bem que vocês gostaram do nosso trabalho. Essa semana tem vários posts para entrarem no ar. Fique de olho!

  4. Walessa
    24/11/2013

    Realmente!
    Também estou muito satisfeita com a riqueza de detalhes e a preocupação de vocês em repassar informações..
    Ótimo trabalho!
    Continuem assim..

  5. Méri
    09/02/2014

    Muito legal vcs contarem a experiencia neste hotel, era exatamente o que eu estava procurando. Vou ler os outros posts!

  6. GIOVANNA MIRANDA
    15/04/2014

    Gleiber, tudo bem? Gostaria de saber se vale a pena ficar uma noite no Hotel antes de ir para Machu Picchu, ou se é melhor deixar para a volta.

    • Tanto faz, Giovanna. A gente se programou para ficar lá na ida, mas gostamos tanto que ficamos na volta também. Mas aviso, o lugar é tão gostoso que dá vontade de ficar vários dias. Mas aviso sempre, não é uma hospedagem econômica, hein? É o equivalente a um hotel 5 estrelas! Abração e tomara que você goste de lá tanto quanto a gente. Abraços.

  7. JORGE MARTINS
    21/01/2015

    Caro, Gleiber!
    Estarei indo para Cuzco no próximo mês … Rapaz já todo tipo de informação sobre Cuzco e arredores. Eu te pergunto: qual moeda devo levar, a local, dólar, real … e se for a moeda local, como devo me proceder para a troca?
    Abraço e parabéns pelo blog.

    • Oi Jorge,
      Leve dólares. Reais lá não servirão para nada e comprar soles no Brasil, uma furada.
      Eu sempre saco dinheiro local (soles) nos caixas eletrônicos usando a função crédito do meu cartão internacional. Sempre achei o jeito mais prático de usar dinheiro no exterior.
      Abraços.

  8. Juliana
    21/03/2016

    Boa tarde, podem me ajudar?
    eu tambem vou ficar num hotel no Vale Sagrado e queria saber qual fornecedor usaram pros passeios por lá e se o preço foi salgado, estou fazendo 1 pesquisa e achando bem caro, queria entender se sou eu é que nao sei dos preços mesmo ou se há outras opçoes.

    agradeço desde ja

    juliana

    • A gente reservou pelo site do próprio hotel, Juliana. É salgado mesmo (é um 5 estrelas, né?). Foi o presente que demos para nós mesmos nesta viagem.
      Abraços.

  9. Geny queiroz
    29/07/2016

    Olá,

    Gostaria de saber se para visitar o Vale Sagrado é preciso se hospedar no Vale ou posso ficar hospedada em Cuzco?

    Grata

    • Oi Geny
      A gente fez o tour do Vale Sagrado enquanto estávamos num hotel em Cusco. É exatamente o que todo mundo faz.
      Abraços.