Aguas Calientes – o portal para Machu Picchu

Aguas Calientes merece um um post exclusivo aqui no blog. Afinal, todo mundo que quiser chegar em Machu Picchu terá que conhecer esse pequeno povoado. Muita gente vai, inclusive, dormir uma noite por lá.

Aguas Calientes Praça Principal

Então, para que você possa se preparar de acordo, topamos o desafio de revelar a verdade nua e crua. Aguas Calientes não é um mar de rosas, mas também não é tão xexelento quanto possa parecer.

Afinal, o lugar tem até uma estação termal, né?

 

Não importa como você vai chegar em Machu Picchu, de trem ou por trilha. A verdade é que, em algum momento você vai ter que passar por lá. O trem, por exemplo, não te deixa dentro do Parque Nacional (onde as ruínas incas ficam), mas na estação em torno da qual nasceu Aguas Calientes. E se você veio à pé, provavelmente vai voltar de trem, ou seja: não tem jeito.

Aguas Calientes o rio

Também chamado de Machu Picchu Pueblo, o vilarejo tem irrisórios 1.600 habitantes e vive exclusivamente da exploração turística. A linha de trem é praticamente a sua única comunicação com o mundo e é em torno dela que o povoado se desenvolveu.

Aguas Calientes panorama

 

O que há para fazer em Aguas Calientes?

Quase nada. Do lado da estação de trem, há uma espécie de “camelódromo” com tendas de artesanato. São muuuuuitas lojas, mas muitas mesmo! E os vendedores ficarão no seu pé ao menor sinal de interesse, principalmente depois de perceberem que você é estrangeiro.

Aguas Calientes mercado de artesanias

No começo, isso me estressava, mas depois de falar “Não, obrigado” umas 50 vezes, a gente se acostuma.

Aguas Calientes comércio popular

Até porque, depois de se desvencilhar das lojinhas, é hora de atravessar o rio que vem lá da montanha para alcançar a “avenida” principal de Aguas Calientes, a avenida Pachacutec.

Aguas Calientes avenida Pachacutec

E aí, sim! Você falará “não, obrigado” mais umas 150 vezes, cada vez que passar em frente a um restaurante (ou em frente às casas de massagem!).

Aguas Calientes vista da beira-rio

 

Comprando Ingresso para Machu Picchu

Se você ainda não comprou o seu ingresso para o Parque Arqueológico de Machu Picchu, em Aguas Calientes está a sua última chance. Não há como comprar ingressos lá em cima, na portaria, viu? Portanto, você deve pegar o ônibus com o seu tíquete (e um documento de identidade) nas mãos!

Aguas Calientes centro cultural

Se você não comprou no Brasil, dá para comprar em Cusco. Se não comprou em Cusco, dá para comprar no Centro Cultural de Aguas Calientes, mas como o número de visitantes é limitado, não se recomenda deixar para fazer isso de última hora. Por acaso, no dia em que estávamos lá ainda tinha ingresso.

Aguas Calientes tarifas para visitar Machu Picchu

Quer dizer, ingresso para Machu Picchu. Reparem na plaquinha que os ingressos para Huayna Picchu (uma trilha muito popular e que fizemos) já estavam esgotados!

 

Onde se hospedar e onde comer em Aguas Calientes

Na verdade, como a cidade é minúscula, qualquer lugar que você escolher para se hospedar será bem localizado. O que varia aqui é o preço (e varia muito!). Só para citar uma pesquisa que eu fiz no site Booking.com, as tarifas podem variar de R$62,00 (Hostal Camino Real) a R$800,00 por dia (Hotel Sumaq)!

Eu sempre prefiro fazer minhas reservas antecipadamente. Mas muita gente só procura hospedagem depois de chegar lá (que coragem). Se quiser fazer uma busca de hotéis em Aguas Calientes, você pode usar o Booking.com (a gente ganha uma comissão, sabiam?)

Neste outro post, falamos sobre como foi a nossa experiência por lá no Hotel La Cabaña Machu Picchu. Adoramos.

Já sobre os restaurantes, a gente acabou pedindo dicas para nossos amigos blogueiros. Só que resolvemos ir na contra-mão do que indicou a Jackie do blog Viaje Sim e não fomos no Índio Feliz. A cara era ótima, o ambiente super descontraído, mas as coisas não saíram bem como havíamos planejado… (continue lendo, mais abaixo você vai entender o perrengue que tivemos lá!)

Mas então… Surpresa! Aguas Calientes tem gastronomia de qualidade! O Índio Feliz mesmo é um restaurante de cozinha francesa legítima!

Só que apesar das recomendações bacanas, acabamos jantando num outro lugar mais simples chamado InkaWasi. Não foi espetacular, mas também não foi ruim. No meio do jantar entrou uma banda cantando músicas folclóricas e depois passaram de mesa em mesa pedindo “donativos”. Não curti! Preferia que cobrassem couvert artístico, mas fazer o quê?

Aguas Calientes restaurante InkaWasi com música típica

No dia seguinte, os planos eram almoçar no Índio Feliz, mas infelizmente…

 

Ficando Doente em Aguas Calientes

Era de tardezinha quando chegamos de trem em Aguas Calientes e fomos direito atrás de um lanchinho, pois não tínhamos almoçado. Encontramos uma padaria “francesa”, cujo nome não me recordo.

O lugar parecia um portal para outra dimensão. Do lado de fora, aquela muvuca. Lá dentro, um pedaço da Europa perdido em plena América Latina. O dono até francês de verdade é! Os croissants estavam uma delícia e o café, impecável. Comemos uma parte ali dentro e embrulhamos para viagem umas baguetes de presunto e queijo para o dia seguinte.

Afinal, nosso plano era estarmos em Machu Picchu antes das 7 da manhã para passearmos em paz, sem ter que disputar espaço com muita gente. Ali pelas 10 horas da manhã, cerca de dezesseis horas depois de compradas, estávamos nós devorando as baguetes sobre o sol quente lá na trilha para a ponte Inca.

Gleiber, me diz uma coisa: Vocês tinham guardado os sanduíches no frigobar do hotel durante a noite, né?

Er… não… glup! Eu tinha me esquecido que não tinha frigobar no quarto. 🙁

Mas na hora não aconteceu nada. O cheiro estava até bom. Às 13h, quando já tínhamos descido da trilha de Huayna Picchu, percebemos que não tínhamos levado conosco água suficiente. Para quem queria evitar de pagar os preços indecentes da lanchonete que fica lá em cima, ficamos um pouco frustrados, mas tivemos que dar o braço a torcer.

Só para mim, comprei um copo de suco de laranja natural, 500mL de coca zero e uma garrafinha de água mineral. Virei TUDO de uma só vez! Sedento! O Sandro que bebe menos líquido do que eu sempre, não tomou toda a coca e nem a garrafinha de água dele.

Não sei se foi o monte de líquido ao mesmo tempo, se foi a altitude ou se foi o sanduba suspeito. Mas sei que passei toda a viagem de ônibus entre Machu Picchu e Aguas Calientes nauseado…

Para resolver esse pepino, só uma solução: um banho nas Termas! Né?

 

As Termas de Aguas Calientes

Sem ter nada para fazer até a hora do trem, resolvemos ir relaxar nas termas. Teríamos 4 horas de puro tédio, das 14h às 18h. Então achei que os nossos pés latejantes (por causa das trilhas) mereciam um descanso.

Aguas Calientes  entrada das termas

No caminho, antes mesmo de chegar na bilheteria (ingresso adulto: 10 soles por pessoa), tem umas tias que alugam roupa de banho e toalhas. O kit custou mais 10 soles (eu acho) e lá fomos nós sem pensar muito nas condições de higiene do que iríamos vestir.

Aguas Calientes subindo para as termas

Chegando lá em cima, além de um barzinho surreal, decorado por um artesanato muitcho louco, a gente é obrigado a guardar todas as coisas nos lockers e entrar na piscina só de roupa de banho e toalha.

Quando entramos na área das piscinas, o cheiro de enxofre terminou de destruir o meu estômago. A cor turva da água também deve ter contribuído um pouco, mas ainda assim entramos. Lá dentro, eu tentava “relaxar” enquanto pensava:

– Se me der uma vontade súbita de vomitar, será que vai dar tempo de chegar no banheiro?

Aguas Calientes as termas

A experiência foi péssima e o Sandro, que felizmente não estava passando mal, ia ficando mais apavorado a cada minuto.  Então resolvemos ir embora dali (ficamos uma meia hora, se muito). Trocamos de roupa e quase na hora de sair, achei que era melhor que eu tentasse vomitar de uma vez, em vez de ficar sentindo aquele desconforto todo.

Foi horrível! Mas ao mesmo tempo ótimo. Desci a rua com a sensação de que os meus problemas tinham acabado!

 

5 Dicas de Ouro para Águas Calientes

Muito mais do que dar uma sugestão de restaurante e falar sobre o hotel em que ficamos, aprendemos algumas lições de ouro.

1) Abasteça-se de água e de lanches (que não vão estragar) antes de subir

Sério! É muito caro deixar para comprar qualquer coisa na entrada do parque, em Machu Picchu. E dentro do parque, atenção, não há lanchonetes nem banheiros!

 

2) Se você vai pernoitar na cidade, é para acordar cedo

Não fique com preguiça e nem fique embromando de manhã. Seu objetivo é chegar nas ruínas antes de todo mundo para aproveitar o passeio com calma. Tem muito mais gente que você pensa fazendo a mesma coisa! Por isso, os hotéis servem café da manhã a partir das 05:00h e as lanchonetes estão todas abertas!

3) Valeu muito a pena contratar um guia exclusivo

4) Não fique em Aguas Calientes mais do que o necessário

Aguas Calientes trilhos

5) Não compre souvenirs em Aguas Calientes

Os artesanatos que estão a venda lá em cima são do mesmo tipo dos que você encontra em Cusco, ou nas cidades do circuito chamado Vale Sagrado. Só que em Machu Picchu, o preço de tudo é bem mais caro. Claro que, se você quiser dar uma força aos locais, vale a intenção.

 

 

E como terminou a história?

Morrendo de medo de ter que visitar o posto de saúde, resolvi comprar um Plasil na farmácia. Ainda bem que eu sabia o nome do princípio ativo, que é o mesmo em qualquer língua do mundo.

Eles vendem por unidade, então eu comprei dois comprimidos (foi baratíssimo). Logo depois de tomar o primeiro, a náusea foi recomeçando. Deitei no banco da praça (sem ter nada para fazer) e um guardinha veio me pedir para levantar. Afinal, é proibido dormir em bancos de praça no Peru, sabiam?

Aguas Calientes machu picchu pueblo

Então muito devagar, caminhei até o hotel e chamei o Hugo pela segunda vez no banheiro da recepção. Lá achamos onde eu pudesse ficar deitado, até que eu resolvi tomar o segundo comprimido. Não funcionou também, e eu ainda voltei ao banheiro mais uma vez.

Depois disso, a sensação ruim foi passando aos poucos. E depois de quase 4 horas sem fazer absolutamente NADA, entramos no trem. Na viagem, não consegui rir do desfile de moda que fizeram, nem da apresentação de piadas em trajes típicos andinos. Recusei o lanchinho, não tomei minha Inka Kola e só conseguia pensar uma coisa:

– Se me der uma vontade súbita de vomitar, será que vai dar tempo de chegar no banheiro?

Aguas Calientes inka kola

Mas no fim das contas, não vomitei mais, não tive diarreia e acordei no dia seguinte novinho em folha! Foi a primeira vez que adoeço em uma viagem, e espero que tenha sido a última!

Hotel-La-Cabana-machupicchu-Machu-picchu-ubicacion-localizacion-mapa-Cuzco-Cusco-Peru-directorio-hoteles-peru-Hoteles-baratosMapa extraído do site oficial do hotel La Cabaña Machu Picchu

SERVIÇO

Ônibus que liga Aguas Calientes a Machu Picchu
Preço: US$ 17,00 ida-e-volta ou US$ 12,00 cada trajeto
Horários: Primeiro ônibus às 05:30h e depois a cada 5-10 minutos.
Onde comprar: na parada de ônibus, veja o mapa acima.

Onde se hospedar: veja o nosso post sobre o hotel que ficamos, o La Cabaña

 

Quer pesquisar agora um hotel para ficar em Aguas Calientes (Machu Picchu)? Vale a pena conferir o site do Booking.com. Reservando lá após ter clicado no nosso link, a gente ganha até 1% de comissão, gente! É uma merreca, eu sei, mas vai ajudar o nosso site a continuar vivo. Ajuda aeee!

 

Banner Horizontal Peru

Quer ver mais post nossos sobre o Peru? Clique no banner acima, ou navegue nos links abaixo:

Resenhas de Hotel e Restaurante

Hotel Tierra Viva Saphi
Hotel Rio Sagrado – luxo no Peru
Hotel La Cabaña Machu Picchu

 

Machu Picchu

Como Chegar a Machu Picchu
E finalmente… Visitando Machu Picchu
Subindo Huayna Picchu

 

Cusco

City Tour em Cusco parte 1 – Catedral e Qorikancha
City Tour em Cusco parte 2 – Sacsayhuaman
Entenda o Boleto Turístico de Cusco
Batendo pernas em Cusco – devagarinho… 

 

Escrito por: Gleiber Rodrigues
Compartilhe:
comentarios:111
Posts Relacionados:
29
Apr
2013
111 comentários