Show Folclórico Rapa Nui – Ilha de Páscoa

Assistir a um show folclórico Rapa Nui foi uma das coisas mais legais que fizemos na Ilha de Páscoa. Claro que foi uma novela até tudo dar certo e por muito pouco não fomos embora da lá com as mãos abanando. Foi caro? Foi! Mas só pelas fotos e pelos vídeos que preparemos para vocês, vai dar para perceber como valeu cada centavo.

show folclórico Rapa Nui remo - uri

Para quem não está sequer imaginando do que se trata, vamos simplificar. Na Ilha de Páscoa, antes da chegada do homem branco, vivia uma “civilização” com língua, costumes e ritos próprios. Nesse show, basicamente iremos ouvir histórias, comer com eles e assistir a suas músicas e danças típicas.

 

Para assistir ao Show Folclórico Rapa Nui

Logo no primeiro dia, logo quando pegamos nosso carro alugado para sairmos explorando, pegamos um folder com a propaganda do Show Folclórico Rapa Nui de um lugar chamado Vai Te Mihi. No rodapé do folder um aviso: reserve seu lugar com antecedência. O show rolava praticamente dia-sim, dia-não e ali pelas 18h resolvemos dar uma passadinha por lá, só para descobrir que aquele era o dia-não.

Bem ao lado do Vai Te Mihi, tinha um outro grande restaurante, com uma placa em frente avisando que ali também tinha apresentações, justamente nos dias em que não tinha show no vizinho. Sacamos de cara: um dia o show era numa casa, no outro dia era na outra. Ou seja, não dá certo num dia, dará certo no outro. Né?

Nada disso! No outro dia, saimos do sítio de Te Hai meio às pressas, antes mesmo do pôr-do-Sol e depois de ouvir o Sandro passar o dia inteiro me “avisando” que a gente deveria ter feito reservas antecipadas para não corrermos riscos. Confiante de que isso não era necessário, fui lá comprar os tais ingressos com planos de voltar para as fotografias do pôr do Sol, só para o Sandro parar de incomodar. Era dia 17 de Setembro, meu aniversário, mas nem esse argumento serviu para convencer a moça de que a gente PRECISAVA assistir ao espetáculo, mesmo estando LOTADO!

show folclórico Rapa Nui hula-hula

Isso mesmo! Lotado! Mas eu fui ficar tenso mesmo só quando bati no restaurante vizinho para reservar lugares para o dia seguinte e descobri que eles não faziam mais shows. 🙁 Pedimos umas dicas e lá fomos nós para avenida principal de Hanga Roa procurar o show folclórico Rapa Nui mais famoso de todos: o Kari-Kari. Só que estes são tão famosos que estavam em turnê em Santiago justamente naquela semana. Ou seja, parece que a gente ia ficar sem show.

Mas daí um Rapa Nui nativo que viu a gente tentando entrar no Kari-Kari deu a dica de ouro: havia um outro, um tal de Te Ra’ai. Era mais longe, mas como estávamos de carro, isso não era problema. E fomos direto para lá! Na recepção, ao indagarmos sobre a possibilidade de jantarmos ali com eles, a resposta foi outra pergunta: “Mas são só vocês dois?”. Mesmo que não fosse verdade, a gente respondeu afirmativamente e pegamos as vagas de um casal que tinha acabado de desistir.

show folclórico Rapa Nui te ra'ai

Depois de zoar um pouco o nosso sotaque e dar-nos a facada (acho que o negócio custava uns $ 30.000,00 pesos, se não estou enganado), a dona nos intimou a estarmos de volta em no máximo em 30 minutos. Para resumir a história, só sei que nunca tinha visto o Sandro tomar um banho tão rápido!

 

Aquecimento: Curanto Rapa Nui

A coisa começa com os turistas se sentando em círculos em volta de um monte de terra. Um remo estilizado, esculpido com motivos tradicionais e deitado sobre o solo, era justamente o que os antigos reis dos Rapa Nui usavam como cetro. Depois de ouvir um pouco de tambor e violão, a coisa começa.

show folclórico Rapa Nui aquecimento

É aquela coisa bem para turista ver, mas até que é divertido. Todos têm seus rostos pintados para a guerra (as crianças adoram). Depois, eles mostram alguns passos de suas dança e botam o povo a cantar junto. Quando a gente percebe, 30-40 pessoas estão todas brincando de fazer passinhos.

show folclórico Rapa Nui passos

Depois de quase uma hora de pura diversão, revela-se o significado do que estava fumegando debaixo da terra: o nosso jantar!

Como todos já tinha adivinhado, eles prepararam as carnes em uma espécie de forno rudimentar – é o curanto. A técnica é a mesma que índios brasileiros usavam para cozinhar peixes: pedras bem quentes no fundo e usando folhas de bananeira para montar camadas, os alimentos foram deixados por horas ali cozinhando.

show folclórico Rapa Nui o jantar - culanto

Carnes duras mais embaixo (como porco) e carnes macias em cima (como grandes postas de atum e cenouras / batatas).

show folclórico Rapa Nui carnes do fundo

Àquela altura já estávamos todos entrosados, treinados nas cerimônias aborígenes de agradecimento pelo alimento e loucos para devorar aquele rango que tinha custado os olhos da cara.

 

O jantar Rapa Nui

A fome foi tanta dessa vez, que simplesmente nos esquecemos de tirar fotos. Acreditam? Nem umazinha para contar história.

Vou tentar descrever a coisa. Era um salão simples, onde cabiam fácil umas 8 mesas. Em cada uma, sentavam-se sei lá, 10 pessoas? E em ordem eles iam avisando para os membros de cada mesa se servirem em cada um dos dois buffets da casa. Quando todos daquela mesa terminavam de se servir, era a vez da próxima mesa. Bem organizado.

Para beber, estava incluído água, suco (maravilhoso!), vinho branco e tinto. Ao nos servir eles ensinavam, obviamente, o nome das bebidas na língua Rapa Nui.

Para comer, coisas básicas como legumes, salada verde, arroz, além das carnes retiradas da folha de bananeira. Só não digo que foi o melhor filé de atum que comi na vida porque o filé de atum do Restaurante Hetu’u foi ainda melhor. Tinha também frango e porco. Vegetarianos também se esbaldariam. Era um verdadeiro banquete! Sem luxos, mas um banquete!

 

O Show de Música e Dança Rapa Nui

Quando pensávamos que já tínhamos visto tudo e já reclamávamos com os amigos de mesa de que aquilo tudo tinha sido caro demais para acabar tão rápido, vem a melhor parte!

show folclórico Rapa Nui grupo haha-harua

Apesar da nossa intenção principal ter sido justamente assistir a um show, a gente tinha esquecido de perguntar detalhadamente do que se tratava a apresentação daquela noite. Já estávamos achando que era só a coreografia com os turistas lá no pátio mesmo.

show folclórico Rapa Nui músicos

Foi então que fomos levados a um pequeno teatro, com direito a palco e cadeiras enfileiradas para podermos assistir à apresentação de verdadeiros bailarinos e músicos.

show folclórico Rapa Nui apresentação

Não sei até que ponto aquilo tudo é culturalmente autêntico. Em alguns momentos, eles parecem ter se apropriado de elementos havaianos e aborígenes neo-zelandeses. De qualquer forma, sendo fake ou não, o fato é que saímos de lá deslumbrados com o que vimos.

show folclórico Rapa Nui bailarina

Uma coisa legal é que eles narram o significado simbólico das danças, em espanhol e em inglês. Assim, todos ficam por dentro de tudo o que está se passando. Querem saber mais uma? Parece que a dona do local é brasileira! Pode?

show folclórico Rapa Nui textos explicativos

 

Acho que esse meu aniversário foi um dos mais inesquecíveis da história!

 

Vídeo

Preparamos então um vídeo mostrando essa nossa experiência. Com certeza ele será muito mais fiel do que as fotografias para vocês terem uma ideia da energia do lugar. Em relação aos números de música e dança, colocamos apenas pequenos trechos para não estragar a surpresa para quando vocês forem, né?


Show Folclórico Rapa Nui from Andarilhos do Mundo on Vimeo.

 

Serviço

Te Ra’ai
Kaituoe s/n (só seguir a Calle Tuki Haka Hevari depois do Hospital)
Tel. 32-255-1460, 32-255-1460 e 9-9414-4972
Preço: US$ 70,00 – inclui jantar
reservas@teraai.cl

Vai Te Mihi
Calle Policarpo Toro, ao lado do cemitério.
api.matatoa@gmail.com
Tel. 9-493-8990
Funcionamento: Segundas, Quintas e Sábado, 21 horas.

Kari-Kari
Calle Principal Atamu Te Kena & Tuki Haka Hevari
Tel. 32-210-0767, 7-532-5637 e 9-489-2780
Ingressos: US$20-24 (só show)/ US$61 (show + jantar)
Funcionamento: Terças, Quintas e Sábado, 21 horas.


Visualizar Hanga Roa em um mapa maior

andarilhos do mundo banner ilha de páscoa

Mais sobre a Ilha de Páscoa? Clique no banner acima ou nos links abaixo e divirta-se:

 

Hanga Roa

Guia para Hanga Roa

 

Resenhas de Hotel e Restaurantes

Hotel Tupa
Restaurante Hetu’u
Show Folclórico Rapa Nui – com jantar

 

Ruínas, Estátuas e Arte Rupestre

Caçando os Moais da Ilha de Páscoa
Turismo Arqueológico além dos Moais
O verdadeiro umbigo do mundo – e bem limpinho

 

Atrações Naturais da Ilha de Páscoa

Dá praia na Ilha de Páscoa

Escrito por: Gleiber Rodrigues
Compartilhe:
comentarios:18
Posts Relacionados:
21
Jan
2013
18 comentários
  1. Fiquei apaixonada, muito bom o post e as imagens. Sensacional. Abraços,
    Paula

    • Obrigado Paula! Que bom que conseguimos transmitir então a empolgação que sentimos por assistir a esse verdadeiro show! E seja sempre bem vinda!

  2. Fato que, quando eu visitar a Ilha de Páscoa, aqui será o primeiro lugar que pesquisarei. Os posts estão ótimos! Adoro essas culturas isoladas do mundo, show de bola! Abraços!

    • Valeu, Gustavo! Chegou a assistir o videozinho? Pena que não tinha quem gravasse eu e o Sandro aprendendo a coreografia do Hana-Matara… Isso sim foi engraçado!

  3. Fernanda
    22/01/2013

    Olá! Estou adorando os posts sobre a Ilha de Páscoa! Vcs sabem se é necessário vacina da febre amarela pra ir pra lá? Obrigada!

    • Fica tranquila, Fernanda. Não é necessário apresentar o cartão de vacinas, não! Oficialmente todas as regras que valem para o Chile também valem para a Ilha de Páscoa (inclusive dá para entrar só com identidade, embora não se recomende).

  4. Fernanda
    23/01/2013

    Obrigada Gleiber! estou com tudo comprado para ir nessa 3a pra lá e ontem a noite comecei a achar alguns sites, inclusive de operadoras que vendem pacotes pra lá, dizendo que precisa, só para a ilha e não para o “resto” do Chile. O site da Anvisa diz que não. Acho que os sites das operadoras estão desatualizados.
    Mas como talvez vá pra Austrália em Abril, resolvi ir atrás disso. Eu tomo um medicamento que não pode ser tomado com várias vacinas, inclusive da febre amarela mas descobri no site da Anvisa que existem algumas isenções. Já fui atrás de tudo hoje de manhã e estou com meu “Certificado de Isenção de Vacinação” em mãos! Obrigada!

    • Na dúvida, sempre é bom ir o mais garantido possível. A gente até tem a carteirinha (fizemos para entrar no Egito, em 2008, mas não nos pediram) e te garanto que em nenhum momento nos solicitaram para apresentá-la ou vimos qualquer indicação que avisasse da necessidade da vacina. Mas toda precaução é válida para não frustrar a viagem. Melhor preparação demais do que de menos, né?

  5. Manoela
    28/01/2013

    Gleiber que coisa linda!!!! Estou aqui planejando minha viafgem pro Chile e bateu uma coçeira pra ir na ilha. Me fala uma coisa, como é esquema de hospedagem e comida lá? Vc olhou em algum site especifico?
    E a passagem?? Viu do Chile ou comprou antes??

    Bjos!

    • Eu comprei a passagem bem antecipadamente. O roteiro saiu do Peru. Foi um voo Cusco – Ilha de Páscoa – Lima (tem voo direito IPC – Lima). Hospedagem e comida é proporcionalmente mais caro do que no chile continental (pelo isolamento), mas dá para reservar até pelo Booking.com. Não usei nenhuma agência, fiz todos os passeios de carro alugado, buscando informações com os locais.

  6. Marta
    23/02/2013

    Fiquei ainda mais ansiosa com minha viagem, estarei embarcando no dia 13 para Rapa Nui. Adorei as dicas. Estou receosa em sair sem guias por lá. Ficarei 5 dias completos , fora o dia da viagem, é um bom tempo prá curtir tudo sem correrias? Viajo com meu arido.Obrigada

    • Com certeza. Nós somos “aceleradinhos”, chegamos em um dia 06:30h da manhã, e curtimos 4 dias inteiros (contando com a chegada). E conhecemos tudo o que quisemos. Recomendo guia fortemente! Eles com certeza vão trazer muito mais informações do que eu trago neste humilde guia. Todos hotéis e pousadas pode indicar passeios guiados, e na rua principal de Hanga Roa dá para ver o anúncio de muito desses passeios. Vocês irão adorar, com certeza!

  7. Milene Faria
    16/04/2013

    Fui ao Kari Kari, na Atamu Tekena, rua principal, e gostei muito!
    E, como fiquei sete dias na ilha, e ouvi falar bem do Te ra’ai, fui também. Participei deste jantar, do curanto, disso tudo que vc relatou. Suas fotos estão bem legais. O Te ra ‘ai é de uma brasileira (de Cuiabá) e de um Rapa Nui. Eles são casados, têm filhos Rapa Nui. Ela já mora há uns dezoito anos na ilha.
    O que me falaram é que só as pessoas nascidas na ilha podem comprar imóveis por lá. As pessoas do continente que vivem lá não podem. A brasileira casou com o Rapa Nui e já comanda com ele o show mais procurado da ilha. O nome do marido dela é Vitor. É o que apresenta o show, aquele que narra o significado das danças. Uma taxista de lá falou que ela é a única brasileira que mora na ilha.

    • Que legal, Milene! Então as lendas são verdadeiras, hehehehe. Que legal que você gostou do Te ra’ai também (a gente amou!), porque como não vimos outros para comparar a gente não sabia se a nossa dica era verdadeiramente boa… 🙂

  8. nathalia
    02/04/2015

    Gleiber, valeu por compartilhar os contatos dos shows. Procurei isso em todo canto, e nem nos grupos de viajantes achei. Que andarilha seria eu sem vocês? hahaha beijin

  9. dorinha bartolomeo
    30/05/2015

    Ola Gleiber!!! Parabéns pelo post!!
    Estou indo para Papeete e terei algums horas em Ilha de Páscoa (Chegarei por volta das 14:00 , partindo as 23h30, mas terei apoucas horas de dia claro). Vc acha que e’ facil sair do aeroporto e fazer um passeio de aproximadamente 3 horas ? Pensei em pegar taxi. Somos 16 pessoas, vc acha que consigo taxi pra todos?
    Agradeço muito se vc puder me ajudar.

    • Oi Dorinha,
      Pois é… Talvez se você contratasse alguma van antes, teria mais sucesso. Táxi para tanta gente? Difícil garantir (a ilha tem poucos carros, acredite em mim).
      Minha sugestão é irem para Rano Raraku e, dependendo do grupo, talvez desse tempo para Orongo também. Se o voo sai às 23:30h, dá tempo de jantar no centrinho. E é tudo incrivelmente perto e sem trânsito. Abraços.