Budapeste – Parte 1 – Buda

by Molina

Budapeste – Duas cidades em uma só

Budapeste se mostrou a mim como uma verdadeira surpresa desde o início. Ou se mostraram, pois são duas cidades que se uniram e formaram uma das mais belas joias banhadas pelo Danúbio.

Budapeste by Molina

A viagem

Chegar a Budapeste vai te consumir muitas horas de voo, sendo necessário chegar a alguma outra cidade Europeia antes.

No nosso caso fomos via Zurique pela Swiss Air. Voo excelente, porém com conexão apertada. Interessante é o metrô interno entre os terminais onde você vai ouvir sons de pássaros e vacas berrando.

A chegada ao aeroporto de Budapeste é bem tranquila com um aeroporto modesto, porém melhor que muitos dos nossos aeroportos brasileiros. Se locomover do aeroporto ao centro da cidade apesar de assustar devido à língua é também muito tranquilo e há terminais de informação no desembarque. Caso vá se locomover de metrô durante sua estadia, sugiro comprar um cartão para vários dias que ainda dá desconto turístico em museus e citytour.

 

Desbravando Budapeste

Devido à perda da conexão (eu disse que era apertada) acabamos tendo que esperar o próximo voo, mas deu tudo certo. Apenas perdemos uma parte do dia na cidade e tivemos que chegar à noite. Por ser fevereiro, estava um frio descomunal, mas que não foi suficiente pra nos amedrontar a desbravar a cidade.

Os que conhecem o Leste Europeu não vai estranhar tanto a paisagem da cidade, que por sinal é muito linda, embora um pouco deserta pelo frio e pelo anoitecer precoce.

O hotel, Sofitel Chain Brigde, uma grata surpresa.

Quarto às margens do Danúbio com a vista para o Castelo de Buda todo iluminado… Simplesmente fantástico.

O segundo ponto interessante é perceber que o húngaro é ininteligível. Chico Buarque escreveu no seu livro Budapeste: “O húngaro é a única língua que o diabo respeita”. Concordo em gênero, número e grau.

E ainda bem que os húngaros sabem disso e não se sentem ofendidos por não sabermos falar nada nesta língua. Então fale seu inglês ou alemão e se dê bem na cidade.

Como ficamos muito bem localizados, já procuramos um lugar pra jantar e pedimos dicas de bons restaurantes húngaros no Concierge. Cuidado! Como em toda a Europa, os restaurantes fecham cedo. Preferimos ir ao Hard Rock que estava bem pertinho (adoro conhecer os Hard Rock de todos os países que conheço).

Mais uma surpresa no caminho: a abordagem em dupla por prostitutas pode se tornar algo perigoso, pois elas não aceitam um simples não e podem até te perseguir… Eu tenho certeza que fui muito bem xingado em húngaro por uma delas….rsrsrs!

 

Parceria Ticketbar

Olha só o que nós, do blog Andarilhos do Mundo conseguimos para vocês! A oportunidade de contratar passeios e adquirir tíquetes online para desfrutar a linda cidade de Budapeste. Assim você não vai precisar pegar fila para comprar ingressos!

 

A plataforma de venda desses tours é da Ticketbar, uma empresa da nossa total confiança. Você compra deles, paga para eles em ambiente seguro e faz o passeio com eles. E onde os Andarilhos do Mundo entram nessa? Eles nos retornam uma pequena comissão por termos feito a indicação.

Sem que você pague nenhum centavo mais caro por isso! Sairá o mesmo preço (às vezes até mais barato) do que se você deixar para comprar na hora!

Confira as opções de tours e ingressos a venda em Budapeste clicando no link – se não clicar no link, a gente não ganha comissão. :˜(

 

Passeio pela tranquila e elegante Buda

Resolvemos iniciar nossa jornada no dia seguinte fazendo o que de praxe fazemos. Um citytour com o Sightseeing, aqueles ônibus turísticos. Acho sempre interessante, pois dá pra ter uma visão global da cidade e escolher os principais pontos para visitar.

Depois de ver vários lugares bonitos, devidamente marcados para retornar, seguimos até o Castelo de Buda e fizemos uma parada na Citadella. Há um parque com uma visão fantástica do Castelo de Buda e de Peste do outro lado do Danúbio. Vale um tempo ali pra belos cliques.

Mais uma vez cuidado com “comerciantes” do leste europeu tentando te ludibriar com joguinhos. Em frente à Citadella há um bom comercio de barraquinhas para comprar boas lembranças. Boa sugestão também é almoçar no Restaurante dentro da Citadella… Excelente prato, com excelente preço e uma visão incrível!

Continuando com o ônibus fomos ao Castelo de Buda onde fizemos nossa última parada. Um lindo castelo com ar ora medieval, ora renascentista e uma visão fantástica de Peste.

Não tenho muita paciência pra entrar em castelos então demos uma volta geral e seguimos à Igreja de São Mathias, que infelizmente estava fechada para visitação.

Outro lugar que vale a pena é o Bastião dos Pescadores, onde belas fotos podem ser tiradas.

Um passeio noturno por Buda é interessante. A cidade com sua iluminação com luzes amarelas dá um clima soturno à cidade. Parada nos cafés é obrigatório e a cidade está cheia deles.

 

Gostou? Quer ler mais?Acompanhe a saga húngara de Rodrigo Molina por Budapeste:

Parte 1: Buda
Parte 2: Pontes, Ruas e o Parlamento de Peste
Parte 3: Parque Municipal, Gastronomia e o Centro de Peste

Ou mais posts sobre a Europa?

Escrito por: Rodrigo Molina
Compartilhe:
comentarios:0
Posts Relacionados:
27
Jun
2012
Nenhum comentário