Colônia em um Dia

Gente, esse é mais um posto do nosso colunista Rodrigo Juliano Molina. Todos os créditos reservados. Inclusive das fotografias.

A cidade de Colônia (ou Köln, em Alemão) nos surpreendeu já na chegada. De trem, de Berlim pela DeutschBahn, fomos em aproximadamente 4 horas. Pensando ser uma cidade média, nos deparamos com a quarta maior cidade alemã, capital da região da Renânia, com pouco mais de 1 milhão de habitantes.

Já na Hauptbahnhof a primeira placa que vi foi a da Kölner Dom, ou seja a Catedral de Colônia, principal atrativo da cidade.

E não é que ao sair da estação de trem com toda sua imensidão já estávamos aos pés da Dom. Parados pela contemplação de uma bela obra humana, ali ficamos um tempo, até perceber que aquela era apenas a lateral da catedral. Ou seja, a sua fachada com certeza ainda iria nos deslumbrar ainda mais.

Ainda precisávamos ir ao hotel, então fomos rapidamente pra poder aproveitar logo a cidade. Como toda cidade alemã, o sistema de transporte todo interligado praticamente nos deixou na porta do hotel. Após procurar uma loja Saturn, pois precisávamos de outra câmera fotográfica, já que tínhamos perdido a nossa em Berlim, voltaríamos ao centro.

Essa loja é espalhada por toda a Alemanha, com ótimos preços, porém em algumas compras só podem ser feitas em cash. Nada de cartão. Ou seja, sempre bom perguntar antes de ir ao caixa, e nunca se esquecer de solicitar o Tax Free.


Hauptbahnhof

Kölner Dom

Voltamos para o centro para poder vislumbar melhor a belíssima catedral. Uma construção gótica iniciada em 1248 e finalizada em 1880, quando foi o maior edifício do mundo na época.

Impossível não se impressionar com a obra dedicada a São Pedro e Maria, tanto que paramos para tomar um cappuccino em uma pequena porta onde fomos atendidos por um simpático italiano. A iluminação da igreja a deixa ainda mais esplendorosa, o que segundo conhecedores, esta catedral é mais bonita do que a famosa de Notre Dame.

No centro da cidade, há vários boulevards e calçadões, com grande quantidade de lojas e ótimos preços, para os aficionados em compras. Durante a noite, o calçadão se transforma em um centro de espetáculos, onde artistas sozinhos ou em grupos cantam, tocam instrumentos, apresentas obras clássicas, vendendo cds e ganhando algum dinheiro com suas apresentações.

Para aqueles que gostam, como eu, de conhecer o Hard Rock de cada cidade, há um em direção a Altmarkt (mercado antigo). Porém, preferimos, na região do Altmarkt, jantar em algum local típico e tomar a cerveja local – Kölsch.

Kölsch também é o nome do dialeto do alemão que se fala em Colônia e boa parte da Renânia. É dito de forma jocosa que Kölsch é a única língua que se pode beber.

Brincadeiras à parte, as cervejarias são verdadeiros locais de festa, com decoração típica de tavernas, pois na época da Oktoberfest esta região fica abarrotada de turistas.

Durante a noite também é interessante seguir em direção ao Rhein (Rio Reno, que corta a cidade) por onde se vê ao longe a bela catedral iluminada, além da famosa ponte de ferro sobre o Reno.

Colônia durante o dia

Durante o dia a cidade se transforma, ganhando movimento daqueles que tem o privilégio de viver nesta cidade. Voltamos para o centro para ver então a Dom durante o dia, quando conhecemos sua fachada que mais uma vez nos deixou impressionados. O seu interior também se destaca pela beleza.

Segundo a tradição, no interior da catedral está guardado o relicário de ouro com os restos mortais dos Três Reis Magos – Baltazar, Melchior e Gaspar.

Atrás da igreja, ao lado da Hauptbahnhof para aqueles que gostam de museus está o Ludwig Museum, de arte moderna e contemporânea. Colônia tem 31 museus, entre eles a destacar além do Ludwig Museum, oWallraf-Richartz-Museum (Arte do período medieval até o século XIX) e o Römisch-Germanisches Museum (Artesanato da época romana), com varias construções subterrâneas da época do império romano.

Além dos museus também é muito interessante o Fishmarkt (mercado de peixes), com construções coloridas ao redor, bem próximas à Altmarkt. Dali se pode ver a Rathaus (prefeitura) e inúmeras igrejas. E é claro, a região do Rhein, muito bem cuidada. Para aqueles com mais tempo, um passeio de barco pelo Reno deve ser lindíssimo.

Assim, por falta de mais tempo, mas com um gostinho de quero mais partimos de Colônia para mais um destino alemão… A região da Bavária e sua rota romântica (Rothenburg ob Tauber) e finalmente München.

 

Mais sobre Alemanha?

 

   Berlim além dos Muros by Molina
   Colônia em um dia by Molina
Neuschwanstein e Hohenschwangau
Munique Mesmo sem Saber Alemão by Molina

 

Escrito por: Rodrigo Molina
Compartilhe:
comentarios:3
Posts Relacionados:
03
Oct
2011
3 comentários
  1. Angela
    12/10/2011

    Olá meninos, é um prazer conhecer viajantes que topam qualquer parada como vcs. Moro a muitos anos na Alemanha em uma vilaperto de Colônia, mas também morei muitos anos em Munique.
    Eu e minha família somos malucos por viagens e todo final de semana, estamos em algum lugar.
    Como é maravilhoso poder viajar.
    Beijos para vcs e que muitas e muitas boas viagens aconteçam sempre.

  2. Rodrigo Molina
    12/11/2011

    Oi Angela… amei a Alemanha e pretendo voltar para conhecer cidades cujo o tempo não permitiu… Queria muito ter conhecido Heidelberg, Hamburgo e fazer a rota romântica. Só tenho a dizer que o mundo tem mundo a nos mostrar… Bjs!!!!

  3. jean rocha
    16/09/2014

    Olá pessoal! Então, tenho algumas dicas sobre a Alemanha q ninguém pode esquecer. É que existe uma cidadezinha chamada hamelin ou hameln que ninguém pode deixar de conhecer. É um lugar agradável, uma cidade encantadora. A história conta que nessa cidade há mais de um século atrás viveu um flautista. Quando ele tocava a flauta, os ratos que haviam na cidade o seguiam e assim ele livrava a cidade dos ratos. Isso foi contado em desenhos da disney e em vários livros. Fica aí a dica,um abraço a todos