Montevidéu: clima de nostalgia

Muita gente descreve a capital dos uruguaios como uma cidade parada no tempo. Vive hoje o ritmo de 20, 30 anos atrás. Acho que concordo, baseado na arquitetura do centro histórico, nas vai-e-vem das cuias de mate na beira do rio da Prata e no elevador com porta sanfonada dos hotéis forrados de carpete bege.

O lado ruim, mais para os uruguaios do que para nós, turistas, é que muitas das novidades estéticas nas capitais vizinhas ainda não faça parte do cotidiano do povo uruguaio.

O lado bom é que testemunhamos ali uma simpatia, uma simplicidade e até uma certa inocência que me remete à época em que vivi, criança, em cidades do interior brasileiro. Uma época que nós, brasileiros, talvez nunca teremos de volta.

Plaza Independencia
Plaza Independencia

 

Na verdade, essa Montevidéu pacata, também parece estar dando adeus. A cidade está mais suja, pixada e violenta do que da última vez que a visitei. Por outro lado, a modernidade vem avançando pelos shoppings, pelos bairros grã-finos (como os arredores de Carrasco e de Punta Gorda), ou nas areias de Pocitos.

Cidade velha de Montevideu, perto do Mercado
Cidade velha, perto do Mercado

Ao turista interessado em desvendar essa capital melancólica, podemos dividi-la em dois setores principais: A Rambla e o Centro.

 

1) A Rambla de Montevidéu

A Rambla é uma larga avenida às margens do Rio da Prata que vai mudando de nome à medida em que percorre os bairros e zonas distintas da cidade.

Pode-se começar (vindo do aeroporto, ou de Punta de carro) pela Punta Gorda onde fica a Praça da Armada (já descrita no nosso post sobre Punta del Este).

De lá, siga até Pocitos, que é onde você vai querer se hospedar. No fim de tarde, é o lugar perfeito para caminhar e conhecer cafés, restaurantes e lojinhas bacanas às margens de uma praia que até se faz passar bem por uma praia de mar.

Mas adiante, Punta Carretas, perto do shopping de mesmo nome e que tem as pessoas mais bonitas da cidade fazendo seu jogging e curtindo um pouco do verde à beira-rio.

Se seguir mais, chegará o Parque Rodó, pulmão verde da cidade e que com certeza vale uma visita.

 

2) Centro de Montevidéu

Se a Rambla mostra a juventude inocente dos uruguaios (no sentido de se sentir longe de violência), o centro já revela algo mais semelhante às nossas cidades brasileiras.

Quem conhece o centro de Porto Alegre de 10-15 anos atrás (um lugar gostoso de se visitar, não a muvuca assustadora de hoje), vai sentir um inevitável déjà vu. Suas construções magnânimas, algo europeias, algo uruguaias legítimas, vai te fazer sonhar em ter de volta as praças brasileiras como um lugar gostoso de passear e não como um ponto para venda de tóxicos.

A tradição da típica parrilla uruguaia
A tradição da típica parrilla uruguaia

E a Cidade Velha… Essa é difícil de não se apaixonar, com lojinhas de artesanato, bares, cafés, a hospitalidade e a simpatia nos convidando para ir ficando.

Portal para a Cidade Velha de Montevidéu
Portal para a Cidade Velha

Para quem tem medo de se perder e não encontrar os principais pontos turísticos, é só seguir uma única avenida, a 18 de julho (lojas com preços mais atraentes que muito free shop!), em direção ao porto. Vão desfilar a Plaza Cagancha, Plaza do Entrevero, Plaza Independencia até que, por fim, adentrará a cidade velha, sem erros.

Ao final, uma refeição farta no Mercado del Puerto vai fechar com chave de ouro seu passeio. Conhecerá a cidade, sentirá seu espírito sem pagar nenhum peso de entrada em nenhuma atração “turística”.

Mercado del Puerto
Mercado del Puerto

Nós só tínhamos um dia para nossos passeios, então foi o que deu. Com tempo, você poderá explorar melhor as construções, os prédios públicos… Na minha opinião, Montevidéu dá para visitar e revisitar sem nunca se cansar.

 

Mais Uruguai no nosso blog?

 

Colonia del Sacramento

5 Deveres em Colonia del Sacramento

Montevidéu

Montevidéu: clima de nostalgia
Plaza de la Armada

Punta del Este

Punta del Este de carro – e em dois dias

Escrito por: Gleiber Rodrigues
Compartilhe:
comentarios:6
Posts Relacionados:
17
Aug
2011
6 comentários
  1. Roberto
    22/03/2013

    Benvindas as dicas de Gleiber Rodrigues, principalmente para nós (eu e minha esposa), que deveremos viajar nos próximos dias para Porto Alegre e Montevidéo, de férias.

  2. Cinthia
    26/03/2013

    Caramba, tudo isso em 1 dia?!! Não programo mais nenhuma viagem sem consultar o site de vocês antes!kkk Primeira vez que passo por aqui e estou adorando as dicas! Espero dar um pulo em Montevidéu em breve e com certeza vou levar anotadinho o passo-a-passo de vcs 😉

    • Nesse dia em que visitamos as atrações citadas no texto, a gente só passou mesmo pela região das Ramblas. Só paramos DE VERDADE na Plaza de la Armada, o resto foi da janelinha do carro. A gente já conhecia a cidade de outras vezes, então as dicas de tomar um mate em Pocitos e de correr um pouquinho na orla de Punta Carretas (além do Parque Rodó, que leva ao menos 2-3 horas para conhecer MESMO), a gente importou da nossa última passagem por lá. Agora as praças e monumentos do centro histórico e a cidade antiga dá para conhecer num dia sossegado. Obrigado pela visita e seja sempre bem vinda! A casa é sua!

  3. Cinthia
    28/03/2013

    Ah entendi! Já estava achando meu roteiro furado kkk Tenho o roteiro detalhado para 4 dias de viagem – mal de capricórnio que precisa programar tudo kkkk E vou dar uma revisada com as dicas de vocês. Notei que não há um tópico sobre a Bélgica! Morei lá e vale muito a pena a visita #ficaadica.

    • Nunca fomos para a Bélgica, Cinthia. Ainda… E quatro dias em Montevideo? Vai dar para conhecer tudo, tudo. Foi o tempo que ficamos na primeira vez, e serviu para a gente se apaixonar pelo lugar.