Salzburgo

Salzburgo é, como sempre me disseram, uma cidade incrivelmente encantadora. Tem uma atmosfera idílica, cheia de turistas, ruelas medievais estreitas, castelos de pedra, catedrais e igrejas pontudas (mais para cebola pontuda, neste caso, mas tudo bem).


É ou não um lugar para se apaixonar?

Comparando com Viena, que é uma metrópole, nós gostamos muito, muito mais… Só o problema, dessa vez, foi a chuva. Que parou ali pelo meio da tarde, mas já foi o suficiente para tirar um pouco o bom humor das pessoas por aqui.

Uma foto na escadaria do Hotel

Como eu sempre digo, nada que nos impedisse de ir a qualquer lugar. Mas é aquela abrição de guarda-chuva, sapatos molhados. Como vocês todos sabem, num frio de 6-7 graus, meias molhadas são muito, muito desagradáveis!


A biblioteca do Schlöss

O primeiro ponto turístico foi o nosso próprio hotel, o Leopoldskron Schlöss. Isso mesmo, ficamos num palácio barroco, às margens de um lago de cinema. Aqui foram gravadas várias cenas do filme Noviça Rebelde. Talvez vocês até reconheçam muita coisa nas fotos.


Nossa casa por um dia…

O café da manhã foi num salão digno de príncipes e princesas, e logo a seguir a gente foi dar uma banda (na chuva) pelos arredores do palácio.


Sente só…

Dali, fomos direto para o castelo da cidade, que na verdade é uma fortaleza chamada Festung Hohensalzburg. Ali não tinha a moleza de Praga. Entradas pagas (e bem pagas), mas com várias atrações inclusas. O chato é a subida até lá que é facilitada por um teleférico incluso no ingresso ao castelo. Excelente, certo?


Vista do quarto do hotel

Errado!

Estava fechado DE NOVO. Só no mês de Março, para manutenção. Pode?

Então lá fomos nós, ladeira acima, para suar e morrer de calor em pleno inverno. Lá de cima, entretanto a vista é fenomenal. A cidade é realmente incrível e valeu muito à pena ter vindo visitá-la.


Vista da cidade a partir do castelo, com chuva

Bem, lá dentro há algumas exposições, uma visita guiada por áudio, mostrando salões decorados do castelo. Bem legal, até. E outras exposições como uma mostrando sobre as batalhas e feitos militares, um museu de marionetes e uma pequena galeria de arte.


Aprendendo a mexer nas marionetes

Dali, fomos percorrer as ruelas medievais da cidade, o que não é nada difícil, pois não deve ter mais que 1km de extensão ao todo. Esse miolo histórico é bloqueado para carros e por um triz (mais exatamente por 3 minutos), a gente não ficou com o carro bloqueado dentro da cidade e tivemos que pagar uma multa de mais ou menos 100 euros para poder sair dela!

É que estávamos procurando um bom lugar para estacionar logo no início da visita e quando achamos uma vaga bem no meio da rua e bem pertinho de tudo, resolvemos por via das dúvidas perguntar em um hotel se era permitido para o carro ali.

O cara só disse assim: permitido é, mas a partir das 11h, uns pinos sobem automaticamente e bloqueiam todas as saídas até umas 18h! Para poder sair, só pagando uma multa carésima! Conselho: pague um estacionamento apropriado que vai te sair mais barato. Quando olhamos no relógio dentro do carro, eram 10:57!!! Foi por muito pouco!

A cidade também é o local onde nasceu o famoso Mozart e muito dos souvenirs são inspirados nisso. Tem pelo menos 3 museus só dedicados a ele, além de casas de ópera e teatros. A cidade também possui duas igrejas muito marcantes. A catedral da cidade (em cujo pátio fica umas obras dessas de arte moderna, com um globo dourado gigantesco e um tabuleiro de xadrez gigante) e a igreja franciscana, em estilo gótico.

Para comer, descobrimos que os Pretzels são oriundos daqui. E tem em vários sabores e formatos, hehehe.

Abraços a todos.

 

Quer saber mais sobre a Áustria?
Viena: Primeiras Impressões
Viena: tudo em um dia
Wachau, um vale no Danúbio
Salzburgo

Escrito por: Gleiber Rodrigues
Compartilhe:
comentarios:0
Posts Relacionados:
19
Mar
2011
Nenhum comentário