Alemanha do século XIX: Neuschwanstein e Hohenschwangau

Bem, depois de passear por Salzburgo, o próximo destino foram os vilarejos do sul da Alemanha, na região da Baviera. Na verdade, o objetivo era apenas visitar o famoso castelo de conto de fadas: o Neuschwanstein, mas essa parte da viagem se revelou algo muito, muito maior do que simplesmente visitar mais um castelo.

Perceberam como a gente gosta de castelos, né?

O castelo Neuschwanstein

O sul da Alemanha, mais exatamente a região chamada de Baviera é um lugar incrivelmente fantástico. São centenas de vilarejos pequenos, em cenários simplesmente indescritíveis e infotografáveis! A gente ia passando pela estrada, vendo montanhas nevadas, gramados bem cuidados, casinhas de madeira, chalés, galpões, tudo limpo, organizado, bem arrumado.

A parte interna do castelo Neuschwanstein

As pequenas estradas são incrivelmente bem sinalizadas, as pessoas educadas e prestativas… Enfim, eu queria ter nascido aqui na Bavária, sabem? Quem conhece Gramado vai entender um pouco do que eu estou falando. Na verdade, Gramado tem sua arquitetura inspirada em tudo que conhecemos nesses dois dias (18 e 19 de Março).


Um pedacinho do quarto do hotel…

Mas mal começou a jornada, na verdade. Depois de ver todas essas maravilhas, fomos recepcionados no que foi, definitivamente, o melhor hotel que já ficamos em nossas vidas. Anotem aí: Villa Jägerhaus. Fica aos pés (literalmente!) do Hohenschwangau, um dos castelos do famoso rei Ludwig II da Baviera.


Nosso hotel, vizinho do castelo Hohenschwangau

E o castelo principal (o mais bonito, mais conto-de-fadas, mais incrivelmente incrustado numa rocha nas montanhas com vistas para um vale cheio de lago e simplemente perfeito!) fica a poucos minutos à pé.


A vista da janela do quarto do hotel à noite

O nosso quarto era simplesmente suntuoso, com as janelas dando vista para essas duas maravilhas! O restaurante do hotel, muito fino, com comida maravilhosa, dava até direito a show particular das cozinheiras preparando os últimos detalhes do seu prato ao lado da sua mesa, todas vestidas com roupas típicas alemãs.


Cervejinha bávara!

Só isso já valeria a visita. Mas no dia seguinte, ao amanhecer, o que acontece? Começa a NEVAR! Tem coisa mais incrível para um brasileiro de férias esperando por ver justamente neve e montanhas?


E dê-lhe NEVE!!!

Daí fomos para o nosso passeio (o caminho para ambos os castelos partem de frente do nosso hotel!), primeiro no castelo Hohenschwangau, que onde a família real viveu de fato. E tinha tour guiado em português! Falando nisso, essa é a viagem que menos vimos brasileiros dentre todos os lugares que já fomos pelo mundo afora, hein? Muito estranho…

É como se esse fosse o patinho, feio perto da grandiosidade do outro castelo, mas na verdade, aqui temos as pinturas de parede e peças de mobília mais preservadas, porque foi onde elas realmente foram usadas! O rei Ludwig, que foi declarado louco, deposto e morto misteriosamente e prematuramente, ordenou a construção do outro castelo nas montanhas com a intenção de reviver a glória dos reis medievais e conseguiu!


Pena que não dava para tirar fotos dentro do castelo…

Infelizmente, não chegou a finalizar a construção e nem usufruir de seus aposentos (pois morreu muito jovem), mas a história desse local toda é fascinante, além da beleza das lendas retratadas nas pinturas de ambos palácios serem as mais legais que eu já ouvi (Lenda do Santo Graal e Parsifal, Tristão e Isolda e a Saga dos Nibelungos).


Região feia, né?

A região era dominada pela ordem dos cavaleiros do Cisne (em inglês, Swan e em alemão Schwan), que dá o nome aos castelos e à cidade. Só a história dessa cavaleiros rende uma postagem inteira, mas vou deixar de lado e ir para as informações mais úteis, eheheh.


Como é linda a tal de neve, né?

Para ir ao Hohenschwangau, é só subir uma escadaria em mais ou menos 10-15min a partir de onde são vendidos os tíquetes. Tem um monte de estacionamentos (obviamente pagos) em volta. A cidade mais próxima (onde muitos se hospedam, até) é Füssen, mas eu aconselho a vocês quando vierem (porque TODOS deveriam vir até aqui um dia!), a dormir em Hohenschwangau mesmo, que é muito mais bonita.


O castelo Hohenschwangau visto a partir do Neuschwanstein

Já para visitar o outro castelo, o Neuschwanstein, que inspirou Walt Disney a criar o castelo da Cinderela, a trilha a pé (que foi a que fizemos) é um pouco mais puxada, cerca de 25-30min, morro acima. A gente já está habituado, mas tem gente que vai se cansar…

O Neuschwanstein sob neblina

Então tem a opção de subir de charrete (6 euros para subir e 4 euros para descer) ou de busão mesmo (1,80 para subir e 1 euro para descer). O chato desses transportes é que você tem que se submeter aos horários que eles saem e você tem que prestar muita atenção nisso, porque para entrar nos castelos, só com hora marcada. Eles te encaixam em um grupo ou para o tour guiado em inglês (ou alemão) ou tour de áudio com um aparelho automático com opção para português e outros 10 idiomas.

Chegando lá em cima, você tem que terminar de chegar ao castelo. Seja a partir da Marienbrücke, que é a ponte de onde se tem a vista panorâmica de todo o castelo e que fica a 10 min de caminhada deste. Seja a partir de um centrinho comercial com lojas de souvenirs e lanchonete, que fica a 5min de caminhada até o castelo propriamente dito. Se você for de ônibus ele te deixa perto da ponte. Se você for de charrete ou a pé (é o mesmo caminho), perto da lanchonete.


Olhem onde fica a ponte para poder enxergar o castelo inteiro. Lá: frio congelante!

Lá dentro não dá para tirar fotos, então só tem fotos aqui no blog do exterior, que já é incrível por si. As vistas com neve, a neblina, até a chuva, deram um toque especial a esse passeio.


Pertinho das lanchonetes. Café, bolo e xícara de souvenir por 5 euros!

Foi bom quando parou de nevar e abriu o tempo para podermos ter a visão de todo o vale lá embaixo (e da cachoeira, e dos pinheiros, e das cidadezinhas, ai… ai…).

Agora, na tal da ponte, eu nunca senti tanto frio em minha vida. Eu falei para vocês que estava nevando, né? Então isso quer dizer que estava uma temperatura entre 0 e 2 graus, no máximo. Mas ali na ponte, que é no meio de um bosque, numa altitude maior e com vento encanado… Acho que estavam uns -5, pelo menos! Era MUUUITO frio, tanto que ninguém conseguia ficar ali por muito tempo.

Mas definitivamente as fotos ali foram umas das mais lindas que tiramos em nossas vidas.

Bem, gente… Esse foi o post mais longo até então, mas eu acho que as fotografias fizeram por merecer, né?

Abraços a todos, hoje estamos num pitstop em Lochau, um vilarejo austríaco às margens do Lago Bodensee. Pena é estar chovendo, daí não pudemos aproveitar nem as margens do lago, nem o teleférico que leva à montanha vizinha. Então aproveitamos para descansar. Talvez tiremos algumas fotos amanhã.

Abraços a todos. Continuem seguindo a viagem!


Mais sobre a Alemanha?

Berlim além dos Muros by Molina
Colônia em um dia by Molina
Neuschwanstein e Hohenschwangau
Munique Mesmo sem Saber Alemão by Molina

Escrito por: Gleiber Rodrigues
Compartilhe:
comentarios:9
Posts Relacionados:
19
Mar
2011
9 comentários
  1. Ilza
    19/03/2011

    Esta região é linda mesmo e as tuas fotos estão o máximo!

  2. Gleiber
    19/03/2011

    Brigado, Ilza! O difícil é escolher dentre as 250 que tiramos! 🙂

  3. Anonymous
    15/07/2011

    nossa, suas fotos sao lindas… estamos quase fechando para ir pra la em janeiro, o frio vai estar terrivel.. mas pela neve acho que vai valer a pena! que incrivel!

  4. Gleiber
    15/07/2011

    O frio realmente vai ser forte, mas a paisagem fica bonita de qualquer jeito. Branquinha no inverno, verdejante no verão, de tons pastéis no outono… Só se lembre que os dias ficam muito curtos em janeiro. Tipo: anoitece às 15:00 – 15:30h. Isso deixa a viagem mais corrida.

  5. Juliana
    11/02/2012

    Nossa!!! Também achei muito linda a região e o Castelo quando fui em 2010. Fantástico!!! Em abril/maio/2011 estaremos lá novamente.
    Juliana

  6. Carol Veit
    15/01/2014

    Oieee!!! Vou agora em março pra suíça, áustria e alemanha, justamente 3 anos depois de vcs. Estou adorando as dicas.
    Vou fazer mochilão sozinha, mas com base em Zurich, na casa de uma amiga. Estes castelos estão na minha listinha de “tenho q ir!”. hahahha Além de Salzburg, que é paixão se infância por causa da Noviça Rebelde!
    Pergunta: este hotel que ficaram tem acesso fácil aos castelos, né??? Não vou estar de carro, então preciso estar muuuuuito bem localizada!
    Bjos, Carol

    • O hotel que ficamos em Salzburgo é um dos sets do filme, mas é longe do castelo principal e do centro da cidade. Para ficar bem localizada, é melhor ficar perto do centro histórico. Bjos.

  7. Déb
    14/07/2014

    Olá, vou para Alemanha em menos de 1 mês e adorei o post de vocês com a dica do hotel pertinho do castelo… até então eu estava procurando hospedagem em Fussen.
    Minhas dúvidas: vale a pena visitar os 2 castelos? Qual vocês gostaram mais? Dá para visitar os 2 no mesmo dia? Sei que para NEUSCHWANSTEIN é necessário agendar um horário de visitação. Para HOHENSCHWANGAU também é necessário?

    • Oi Déb,
      Eu adorei os dois castelos! Muito! Mas o Neuschwanstein é o mais bonito.
      E o tour guiado do Hohenschwangau tem hora marcada também. Quando você for na bilheteria comprar seu ingresso (a compra casada dá desconto!), selecione os horários que permitam fazer as duas visitas no mesmo dia. É bem fácil.