Glastonbury – Um pouco de misticismo

Hoje estamos num importante centro energético e esotérico daqui da Inglaterra. Sério! Há quase 2000 anos, o local é um centro de peregrinações espirituais… Primeiro porque (segundo a lenda) aqui foi um dos primeiros povoamentos cristãos (fundado por José de Arimatéia), onde foi erguida a primeira abadia cristã, e onde estaria enterrado o Santo Graal..

Há uma colina bem grande onde estão as ruínas da igreja de São Miguel e de onde se avistam quilômetros e quilômetros de paisagem a frente. Acredita-se que esse monte (Tor Hill) seria a antiga ilha de Avalon, pois a região era antigamente toda alagada por pântanos e deles subiam suas famosas Brumas. Nas ruínas da antiga abadia (a mais antiga daqui) estariam os restos mortais do próprio Rei Arthur.

Nos últimos 50 anos, os místicos e esotéricos descobriram esse local e o transformaram em um centro da Nova Religião. Então por todo lado há bruxas, curandeiros, tarólogos, xamãs e todo o tipo de espiritualismo que se possa imaginar. Há inúmeras lojas de cristais, de artigos mágicos, vendendo cálices, livros de magia e até mesmo uma loja de ervas mágicas e velas. Incrível! É realmente um outro mundo!

Então vamos explicando pelas fotos: As primeiras são as fotos desse morro chamado Tor, onde fica a torre. De lá, a visão da cidade é incrível e a paisagem de cair o queixo.
Aqui, lembrando, é a suposta ilha de Avalon.

As próximas fotos são do chamado Chalice Wells (poço do cálice), onde estaria o Santo Graal: o cálice onde Jesus Cristo bebeu o vinho da última ceia. Esse cálice teria poderes mágicos e foi trazido pelos primeiros cristãos para cá.

A água que brota da fonte tingiu o local de vermelho, fortalecendo a idéia do Graal (ligado ao sangue de cristo, o vinho da santa ceia). As águas teriam propriedades curativas e, de fato, o local é cercado de árvores centenárias, além de um belo jardim. Óbvio que bebemos da água curativa e acho até que uma espinha abscedada que estava no meu queixo está começando a melhorar, ehehehe. A primeira foto é justamente do poço.

A segunda foto é da fonte de água vermelha.

E a terceira foto é da parte mais “artística” da fonte, onde as fotos ficam mais bonitas.

Depois dali, mas um mico e camelagem… Fomos procurar dois famosos carvalhos anciãos (de quase 800 anos) que estão no fim da rota de peregrinação que levava até o Tor e que se chamam Gog e Magog (ou, como zoava o Sandro, Gog e Van Gogh).

Bem, a gente caminhou, caminhou e caminhou e não achamos os danados desta vez! Mas ao voltar para a cidade, achamos uma espécie de capela New Age, cheia de altares, velas, em meio a uma fonte de água e com simbolismos Wiccanos (dos feiticeiros daqui). Foi bem legal. São as chamadas White Springs, fontes calcáreas (também medicinais). Só depois que cheguei aqui no hotel que entendi melhor o que era, ao ler o site: http://www.whitespring.org.uk/

Depois, fomos à abadia de Glastonbury, ou melhor, suas ruínas, onde estaria enterrado o Rei Arthur. A abadia foi destruída na época do Henrique VIII, que ordenou a dissolução dos mosteiros saqueando a riqueza católica e fundando a igreja Anglicana. O lugar é hoje também um enorme jardim, cheio de macieiras (eu nunca tinha visto uma!), que estão carregadas (bem, na verdade, a maioria das maçãs estão mesmo é no chão caídas, servindo de alimento aos animais).

Bem, foi isso por hoje. Dormimos aqui mesmo de novo e amanhã vamos para o litoral da Cornualha, para um lugar chamado Tintagel (onde acredita-se ser Camelot).

Mais do Interior da Inglaterra?

      Cambridge
      Sul da Inglaterra – Leeds e Bodiam Castle
      Arundel, Winchester e Salisbury
      Stonehenge
      Um pouco de misticismo – Glastonbury
      Cornualha, Tintagel e Boscastle
      Mais Cornualha
      Bath
      Cotswolds – o coração da Inglaterra
      Stratford upon Avon
      Castelo de Warwick
      Região dos Lagos: Keswick e Windermere – a Jóia da Coroa

Escrito por: Gleiber Rodrigues
Compartilhe:
comentarios:4
Posts Relacionados:
07
Nov
2009
4 comentários
  1. alineh337
    07/11/2009

    Esse blog dá um belo livro. Comece a pensar nisso Gleiber, afinal vc não terá q traduzir…é só contar, colocar as fotos e nem precisa ser tipo “guia turístico” mas ser uma ficção e das boas. Se não quiserem fazer isso “compro” os direitos autorais heheh.

    Lindas as fotos, passeios fantásticos, coisas engraçadas e se não tiver um mico de “qdo em vez” não seriam vcs!!!

    Continuem aproveitando essa viagem q deve estar demais!

    Abraços
    Aline

  2. Mary
    10/11/2009

    Vc´s parecem fotografos profissionais, poderiam mudar de profissão, rs…..
    tudo muito lindo….
    Bjo
    Irma- madrinha

  3. Patricia Veras
    29/05/2014

    Oi, descobri o blog de vcs hoje, to achando muito legal. To pensando em viajar para Cornualha, qual a época do ano que vcs indicam?

    • O verão é a melhor época, assim como o início do outono (até Outubro) ou o finzinho de primavera (após Maio). Abraços.